Bem-vindos ao GOT7 Brasil, fanbase brasileira dedicada ao boy group da JYP Entertainment.
GOT7 (갓세븐) é um grupo masculino sul-coreano de hip-hop formado pela JYP Entertainment. Os membros foram vistos pela primeira vez em 6 de setembro de 2013 em um programa da M-Net chamado Who Is Next (WIN). O grupo, com exceção de Youngjae, competiu de igual para igual contra os trainees da YG. A exposição precoce os fez ganhar muitos fãs entre os internautas. Em 24 de dezembro de 2013, JYP anunciou que a empresa iria estrear um novo boy group em janeiro de 2014, dizendo que o grupo seria uma equipe de performance especializada em “martial arts tricking”, que é uma forma de artes marciais que combina acrobacias e b-boying. O grupo teve a sua estreia oficial no dia 16 de janeiro de 2014.



[ENTREVISTA] JB e Jinyoung na Revista Urbanlike – nº 34

imdent-jjproject-urbanlike-34

JB

Uma impressão bem forte que eu tive quando vi o JB foi a de um líder com um peso bem grande de responsabilidade posto sobre si. Você ouve isso bastante, certo?
Eu acho que eu não posso dizer que não sinto nenhum tipo de responsabilidade ou fardo como líder. Mas agora que já se passaram 3 anos desde o debut e cada um de nós adquiriu experiências, então agora eu confio que eles se sairão bem por si próprios. Por isso, agora acho que pude deixar um pouco (mais) do fardo de lado do que antes.

Provavelmente todos os membros têm algo em que eles amadureceram.
É claro. Agora eu sinto que se eu disser alguma coisa para eles ou impedi-los de fazer algo, aí vai parecer que estou pegando no pé deles, então agora a não ser que seja algo que decidimos todos juntos durante nossa reunião, eu tento não dizer nada.

É bom ouvir que se tornou mais tranquilo para você. Eu pensei que talvez, para o JB, os livros sejam tipo uma válvula de escape da responsabilidade e fardo como líder.
Eu sou do tipo que lê muitos livros sobre aperfeiçoamento pessoal, e isso com certeza me ajudou como líder.  Quando eu leio esses livros, eu percebo de novo “nessa situação eu tenho que ser cuidadoso desse jeito”. Eu também leio vários analectos (Analectos de Confúcio), eu gosto deles porque sem perceber eu me sinto reconfortado com esses livros.

Você procura livros sobre aperfeiçoamento pessoal e os lê por causa da sua posição no grupo?
Eu leio livros de aperfeiçoamento pessoal sobre liderança de propósito. Porque eu pensava no que podia fazer para me tornar um líder melhor. Também pensava em como eu queria viver bem como uma pessoa decente. Eu não posso viver formalmente a todo momento, mas eu quero manter os fundamentos básicos.

A posição de líder é uma posição difícil, não é?
No começo foi difícil. Eu quero ter uma relação sincera com os membros, algo que tenho agora, mas eu acho que tenho um certo limite por causa da minha posição como líder. Por exemplo, há momentos em que tenho que dizer algo de forma bem rígida como líder, mas quando essa situação evolui, em certo ponto há momentos em que os membros escondem suas fraquezas e/ou pontos negativos sem a intenção. Quando eu descubro isso depois eu penso coisas como “se eles tivessem me falado honestamente então eu não teria dito nada. Por que eles tiveram que esconder”. E quando eu penso nos membros que estavam escondendo isso de mim, eu me sinto triste. Eu acho que situações assim, em que não havia escolha a não ser acontecer, foram difíceis para mim. Mas agora, eu digo para os membros pensarem em mim apenas como outro colega do grupo ao invés de como um líder. Eu acho que agora nós sete temos um senso de responsabilidade como líderes.

JB, você gostava de ler até quando era mais novo?
Eu costumava ter o tipo de personalidade que dormia logo que lia livros. Como uma pessoa assim, o primeiro estímulo que eu encontrei para ler foram romances de fantasia. Eu não lembro exatamente qual livro era, mas eu tinha um tipo de concentração e conseguia imaginar a situação toda do livro na minha cabeça. Eu acho que foi assim que fiquei fascinado por livros. Um hyung que dançava comigo gostava de ler analectos (Analectos de Confúcio) e livros de aperfeiçoamento pessoal e, ao ler esses livros que ele me recomendava de tempos em tempos, eu naturalmente comecei a ler.

Você teve a influência de outra pessoa para começar a ler, mas agora você se tornou alguém que pode influenciar os outros. Eu ouvi dizer que você, JB, foi a maior influência para o Jinyoung começar a gostar de livros.
Não é que eu recomendei livros para ele, mas eu lembro que quando o Jinyoung não lia livros como hoje eu perguntei para ele “por que você não tenta ler livros?”, sugerindo. A única coisa que eu disse foi “ler é muito bom, ajuda bastante” e o Jinyoung começou a ler de um a dois livros. Eu acho que o motivo pelo qual ele lê consistentemente até hoje é porque ele gosta.

Vocês discutem sobre livros com frequência?
Nós recomendamos livros que gostamos um para o outro e houve momentos em que eu dei alguns livros para o Jinyoung e disse “esse vai ser legal de ler”. Eu já li “The Big Picture” do Douglas Kennedy, e agora o Jinyoung está lendo ele. E durante esses momentos, eu pergunto para ele “quanto você já leu? Então logo quando você ler mais vai ter uma parte que você vai ficar chateado”. (Risos)

Eu pensei em como o camarim do GOT7 deve ser. Todos os membros provavelmente passam o seu tempo livre de formas diferentes, mas como vocês geralmente passam o seu tempo?
Normalmente passamos o dia todo no camarim quando temos programas de música. Se não fizermos nada durante essas horas então o tempo passa de forma insignificante. Eu acho que isso é um desperdício, então às vezes eu vou até o carro e pratico um pouco de canto ou trabalho em algumas músicas. De todas essas, a forma mais eficaz de passar o tempo era lendo. Enquanto eu lia, se eu encontrasse algumas palavras boas eu as anotava. Eu acho que essa é a forma mais simples e útil de se passar o tempo, então na maioria das vezes eu leio quando estou no camarim.

Eu acho que já que você teve atividades com o Jinyoung desde o JJ Project vocês provavelmente têm um sentimento especial um com o outro. E vocês se influenciam ao lerem os livros um do outro.
Sim, é isso mesmo. Nós não chegamos no ponto de fazer uma discussão sobre livros, mas às vezes falamos sobre o livro que estamos lendo como um comentário passageiro “eu pensei nisso dessa forma, mas Jinyoung, você pensa daquela forma”. Quando conversamos assim acho que fico inspirado. De tudo, eu acho que o que eu posso aprender com o Jinyoung é a forma rigorosa com a qual ele cuida de si mesmo. Quando eu o vejo não sendo descuidado consigo mesmo, eu posso sentir que o caminho para o meu objetivo está ficando mais certo.

Que tipo de livros você está lendo ultimamente?
Estou lendo “Ensaios sobre o amor” do Alain de Botton. Ainda está no começo então estou lendo a parte em que tem bastante amor. Mas, como posso colocar, parece difícil. Eu comecei a ler pensando que é um romance, mas as palavras e expressões fazem com que eu sinta que estou estudando.

Ouvi dizer que você se sente envergonhado quando se lembra de si mesmo enquanto lê. Estou curioso sobre o que fez você se sentir assim.
Eu acho que me senti assim na época em que eu li muitos livros de aperfeiçoamento pessoal. Eu não acho que alguém possa ser perfeito, mas mesmo que seja um fato que eu já sei, quando eu percebo que não estou sendo dessa forma, ou não estou fazendo direito, eu fico com vergonha de mim mesmo. Eu comecei a ler livros de aperfeiçoamento pessoal para que eu pudesse consertar os meus defeitos, mas vejo que não estou colocando isso em ação, fico em dúvida sobre o porquê de eu estar lendo isso se vou continuar agindo dessa forma.

Mesmo assim, qual é o motivo pelo qual você lê?
Eu acho que leio para aliviar o estresse. Eu também quero sentir a história e as emoções contidas no livro. Principalmente em romances, tem tantos tipos diferentes de histórias. Quando você está lendo um livro e dá ênfase a um certo personagem, você consegue sentir tudo como se fosse o personagem. O livro “The Moment” fez exatamente isso. Se passa na Alemanha e é sobre a história de amor trágica entre um homem e uma mulher. Conforme o livro foi chegando ao final, sem perceber, eu estava lendo-o e chorando. (Risos)

Com qual personagem você mais se identificou?
“Kafka à beira-mar” veio até mim como a história de um adolescente resistente. Não é que eu queira ser como o personagem principal, mas eu pensar em mim mesmo de forma mais profunda e ter um tempo para relembrar como eu era antes. Eu me senti triste por não ter tentado saber mais sobre mim mesmo durante aquela época, então eu acho que é por isso que eu consegui me identificar mais com ele.

Acredito que você esteja lendo muitos romances ultimamente. Há um gênero particular que você goste?
Eu não sou muito exigente quanto ao gênero. Mas tem livros em que eu sinto “esse vai ser difícil para mim”. Quando eu sinto que estou numa situação em que não vou conseguir me concentrar nesse tipo de livro, aí eu o coloco de lado e leio quando eu puder me concentrar nele, e se eu puder lê-lo agora então me dedico e leio o livro todo.

Você tem alguma forma específica de ler? Você disse antes que anota palavras boas.
É isso mesmo. Quando estou lendo e vejo uma frase que eu acho que iria me inspirar eu a sublinho e leio. Isso também é algo que eu li em um livro, dizem que tem um país em que, após ler o livro se você achar ele ótimo, você o deixa naquele lugar para que outras possam lê-lo. Quando eu vi isso eu achei muito legal. Eu acho que eu não conseguiria fazer isso, já que sentiria que os meus pensamentos estão sendo revelados. (Risos). Ah, também tem isso. Antes, quando eu terminava um livro, eu cortava o final da linha do marcapágina que vem dentro do livro e dava um nó. Era o meu jeito de indicar que eu tinha terminado de ler.

Isso é engraçado. Então, como você indica agora?
Eu escrevo o meu nome na capa do livro. Eu uso um nome diferente, “DefSoul”, e escrevo esse nome nele. E ao invés de usar o marca página, eu dobro a página até a linha em que eu li. Aí quando eu abro o livro novamente eu posso facilmente saber “oh, eu li até aqui”.

Eu ouvi dizer que você se matriculou no departamento de filmes. É claro que você está escrevendo letras (de música), mas você pensa em escrever histórias ou textos?
Para uma tarefa na faculdade eu tive que escrever uma história, mas foi muito difícil. Quando você escreve uma letra de música, você escreve sobre uma situação particular ou algo que quer dizer a alguém, mas quando você escreve uma história, tem que ter um enredo e aí escrever cada diálogo e agora isso não é fácil. Em vez disso no momento estou escrevendo os sentimentos que estou sentindo agora mesmo. Eu anoto a data e escrevo um diário sobre como o meu humor estava e o que eu senti hoje.

Existe algum tópico ou história que você tem em mente para escrever sobre? Se tiver, o que é?
Eu fiz um filme na faculdade para um projeto, era uma história que tinha alguns elementos fictícios. Um dia, o personagem principal adormeceu e conheceu sua garota ideal nos seus sonhos. Ele não sabe quem essa pessoa é exatamente, mas ele lembra da sensação e da silhueta. Porém no momento em que ele abre os olhos ele tem essa intuição de que essa pessoa está em algum lugar e procura por ela. No filme que eu fiz, eu dei uma reviravolta nele. No final, a garota é a pessoa que o personagem principal matou, e ele tem amnésia devido a culpa. Um dia, quando ele abriu o armário para sair em um encontro, a garota está lá como um cadáver. É um filme de apenas três minutos, então acaba logo, mas é esse tipo de história.

Eu acho que você poderia tornar isso em um filme completo. (Risos). O que mais ocupa os pensamentos do JB ultimamente? É o comeback que não está muito longe?
Isso mesmo. Nesse álbum, a maioria das músicas foram feitas pelos membros. De 13 músicas, 11 são músicas em que os membros trabalharam. Eu também participei em 3 músicas, enquanto estava as produzindo, 2 delas foram canções que eu fiz enquanto pensava em como elas iriam se sair bem com o GOT7, e a outra é o tipo de música que eu quero produzir dentro do grupo.

Oh, é uma música que se aplica mais ao seu gosto pessoal. Esse é o segundo álbum completo de vocês. Existe alguma meta que você e o grupo estipularam?
Seria legal se ficássemos em primeiro lugar de novo dessa vez e ser essa uma oportunidade para nós crescermos, mas eu acho que não terei arrependimentos independente dos rankings. Porque enquanto trabalhávamos nesse álbum muitas das nossas opiniões sobre como queríamos fazer foi considerada e aplicada. Toda vez que lançamos um álbum eu penso em como nós queremos crescer mais, porém eu acho que esse crescimento não são apenas resultados que são mostrados nos números, mas sim em conseguir mais aspectos como artista. Quando você está trabalhando você com certeza se concentra e trabalha, para que quando você estiver se divertindo você não vai ter nenhum arrependimento e vai apenas se divertir. Eu quero crescer de uma forma que as pessoas possam dizer “o GOT7 é um artista incrível que se esforça”.

Geralmente, quando esse tipo de assunto surge é o líder JB que está falando?
Na verdade, eu sou o que fica no fundo apenas ouvindo. O Jackson e o Jinyoung geralmente falando e eu só ouço o que eles estão dizendo e depois só complemento com a minha opinião dizendo “se você quer atingir a meta que você quer, então eu acho que é melhor fazer dessa forma”.

Você é um líder nato. Eu acho que você é bastante maduro para a sua idade.
Eu acho que não há escolha exceto ser assim. Mas eu acho que não estou fazendo isso como um líder, mas tem que ter pelo menos uma pessoa dentre as sete que organiza as coisas e eu estou apenas exercendo esse papel.

Jinyoung

Existe algum momento da sua primeira vez lendo um livro que você se lembra?
Tem muitos livros na minha cabeça agora, mas o mais memorável é o livro “Princess Kidnapping Case” que eu li quando estava no ensino fundamental. Como o título diz, é um romance de ficção que é baseado em um evento histórico, e eu lembro que o li inteiro com bastante atenção.

A sua primeira vez lendo um livro pode ter diferentes significados dependendo de como você interpreta. Como pode ser o primeiro livro que você leu que te deixou uma impressão forte.
Há muitos livros que me deixaram uma forte impressão e eu acho que não vou conseguir escolher só um. Como devo dizer isso, um livro que é memorável? Sinceramente, quando eu era mais novo eu odiava tanto ler. Eu mal li “Records of the Three Kingdoms”porque eu lia a versão de história em quadrinho. Era um livro que tinha 64 volumes, eu pedi para a minha mãe comprar e eu acho que li mais de 100 vezes.

Então, tem algum livro que você leu quando era mais novo e releu quando se tornou adulto?
Não é um livro que reli, mas recentemente eu li “Meu Pé de Laranja Lima” pela primeira vez. Normalmente, é um livro que está tipicamente dentre os “livros que você tem que ler” que os adultos falam sobre. Mesmo que seja tarde para ler esses livros, eu os compro no aeroporto e leio e isso me deixa envergonhado. Na posição do Zezé, será que eu conseguiria amar alguém sem nenhuma desconfiança só com um coração puro? Eu acho que me fez pensar bastante sobre pureza. Porque eu acho que tem pessoas que são ingênuas, mas agora não existem pessoas que são puras.

De qual lado você acha que está mais próximo? Uma pessoa que é ingênua ou uma pessoa que é pura?
Eu acho que uma pessoa que está se segurando até o final porque quer ser uma pessoa pura. (Risos)

Você é do tipo de pessoa que lê um livro várias vezes se você gosta dele? Ou você é do tipo que lê só uma vez?
Geralmente eu não sou do tipo que lê várias vezes, mas tem um livro que eu quero ler de novo. É “Between Calmness and Passion”. Uma vez em uma entrevista me perguntaram qual era o livro da minha vida e eu não consegui dizer (que era) esse livro naquela época. Isso é o quanto eu gosto dele.

Por qual motivo?
Provavelmente, o último relatório que eu escrevi de um livro também foi de “Between Calmness and Passion”. Quando eu soube que teria uma entrevista sobre livros, eu li os relatórios que escrevi antes de vir e escrevi isso aqui. “Calmness” (Calmaria) é a realidade, e “Passion” (Paixão) é o passado. Eu acho que o Junsei é um personagem principal que está lutando entre a calmaria e a paixão. Para o Junsei, a Aoi é um amor do passado. Quando eu coloco isso na minha situação, eu acho que o passado que eu passei com a minha família antes do debut é o passado caloroso e o amor para mim. E agora eu estou em uma posição de tentar fazer algo enquanto trabalho em uma sociedade. É claro que não é que eu odeie o presente, mas tem um conflito entre querer me segurar ao passado e todas as coisas que têm que ser feitas por causa da vida que eu tenho agora. Eu acho que todos esses pensamentos que fizeram acordar de várias formas.

Que tipo de esforço você faz para reduzir o conflito?
Eu acho que a única forma é aceitar. Até mesmo agora, quando o tempo passar será o passado então esse e todos os momentos você apenas tenta viver dando o seu melhor.

Quando você escreve o relatório de um livro, como você geralmente o escreve? Você normalmente escreve sobre como você se sentiu após ler o livro?
Eu escrevo meus pensamentos e emoções que estou tendo depois de ler. Eu sempre carrego comigo para onde quer que eu vá. Eu trouxe aqui agora também. (E ele mostrou seus relatórios repletos de palavras).

Quando você começou a pensar que deveria escrever o que sentia após ler um livro?
Eu sou geralmente o tipo de pessoa que sublinha ou faz anotações enquanto lê, e o JB hyung também estava fazendo isso. Enquanto eu via o hyung eu pensei que talvez eu conseguiria fazer isso do meu próprio jeito, então eu comecei a escrevê-los.

Eu acho que com certeza terão algumas mudanças que acontecem após você ter começado a escrevê-los.
Bem, primeiramente isso mantém organizado. Já que eu não consigo escrever sem nenhum contexto quando estou lendo, eu tento descobrir qual é a consciência do assunto. Eu leio mais atentamente para descobrir se tem alguma intenção escondida ou segredos sobre a história deixadas para trás pelo autor.

Eu assisti ao episódio do V app do “homem que lê”. Você apresentou os livros “Words that are Always Pleasant to Hear” do Lee Seok Won e “Look at this Poem” do Choi Dae Ho. Eu pessoalmente estava esperando mais do livro do Lee Seok Won, mas você o fechou logo.
Eu acho que fiz isso porque estava no meio de ler um livro. Tem esses ditados. Há momentos em que a realidade é mais dramática do que uma novela. Eu senti que a vida do escritor era exatamente isso. Me fez pensar que o que eu achava difícil não era nada afinal.

Tem alguma parte em particular que é memorável?
O escritor conhece uma certa mulher. Um dia ele conhece o ex-marido dessa mulher e ela vê alguma parte do escrito no ex-marido dela e ama ele, mas escolhe que ela não tem outra opção a não ser deixá-lo. Logo eu pensei, como você consegue terminar com alguém quando está apaixonado? Mas enquanto eu lia o livro eu vi respeito/honra por aquela mulher. Porque eu acho que tem um pouco de consideração por aquele outro cara. Enquanto eu via isso, eu senti que quando eu me tornar um adulto e conhecer alguém, eu deveria respeitar/honrar a outra pessoa.

Então, em outras palavras, você sentiu como é um amor de adulto.
Sim, isso mesmo. Para te falar a verdade, eu ainda não entendo 100% o que esse sentimento é. (Risos). Eu acho incrível como eles superam a dor do amor. Eu achei esses pontos engraçados também. O escritor ama a dona do restaurante que ele frequenta bastante e, por algum motivo, ele desiste. Eu penso que, se por acaso a dona compra esse livro e lê essa história, ela irá se sentir estranha. Quando eu vejo isso, eu penso que o trabalho de um escritor é bem misterioso e, ao mesmo tempo, muito legal.

Em muitas entrevistas você disse o motivo pelo qual você começou a ler. Algumas vezes você respondeu “porque eu tenho muitos medos” e outras vezes você disse “porque você não quer que o seu cérebro fique rígido”.
Para te dizer mais precisamente, eu acho que foi por causa do meu orgulho. Quando eu era mais jovem, eu era uma criança que gostava de ficar sozinha ao invés de sair para brincar. Então eu principalmente assistia muitos filmes, normalmente, não importa o quanto o filme reflita a vida real, você sabe que aquilo não é real. Mas eu naquela época acreditava que a história no filme era de verdade. Quando você assiste “Meia-noite em Paris” o personagem principal conhece um casal que é amigo da noiva dele. O marido da amiga dela o mostra Paris e conta a história e o que ele sabe sobre a cidade. Se eu fosse o personagem principal, se um amigo da minha namorada é tão inteligente assim na minha frente, eu acho que eu ficaria constrangido. Então, para te dizer, é por causa desses tipos de situação. Eu não queria ficar com vergonha.

Então é porque você tem medo de passar por situações assim na vida real.
Sim. Eu acho que ser inteligente é muito legal. Eu acho que quanto mais você sabe, mais você se torna uma pessoa sábia.

Talvez sua obsessão por ficar inteligente fez você se segurar mais aos livros?
No começo sim. Parecia que eu estava ficando burro se eu não lesse. Então eu me forcei a ler mais, mas não estava certo. Não era ler mesmo se eu estivesse lendo. Então eu não fiz um esforço muito grande para ler. Quando eu não leio eu estou no meu celular e se eu quiser ler aí eu tenho um motivo para ler com atenção total.

Como você se sentiu quando leu? Você acha que satisfez seu desejo de ler porque estava com receio e porque queria ser inteligente?
Eu acho que estou satisfeito com o primeiro motivo, com o segundo ainda não. (Risos). Uma coisa é certa, o meu medo desapareceu depois que eu comecei a ler. O Jackson me disse assim “Você pensa demais. Apenas tente“. O Jackson mostra o jeito natural dele de forma honesta sem mudar nada nos programas. Que é o motivo pelo qual ele recebe tanto amor. Eu acho que as palavras dele me ajudaram bastante também.

Você é do tipo que pensa bastante, certo?
Sim, isso mesmo. Eu penso em muitas coisas desnecessárias (risos).

Eu vejo isso no V App também. Quando você estava lendo “Look at this Poem”, como devo dizer, parecia que ser engraçado era uma obrigação?
Todo mundo diz que eu sou sério demais. Ultimamente as pessoas assim são tão bem-humoradas em vez de sérias que tem até palavras novas como “mal da seriedade“, “percevejo da seriedade“. Mas eu gosto de ser como eu sou. Porque devem existir pessoas como eu para que os bem-humorados possam brilhar mais. Mas quando eu continuo ouvindo isso eu penso “Será que não estou me encaixando com as outras pessoas?”, então por um tempo eu fiquei meio em pânico. Talvez as pessoas digam que eu sou muito sério de brincadeira, mas sem perceber eu comecei a ficar preocupado com isso. Então eu propositalmente comecei a procurar mais programas de variedade, aí eu senti que tinha começado a ficar mais mecanizado. Há momentos em que eu sinto que estou me perdendo, mas eu acho que é um tipo de crise.

Eu acho que você não precisa fazer um esforço. Como você disse, eu acho que tanto o Jackson quanto o Jinyoung têm seus próprios papéis.
Agora eu me tornei mais livre. Antes eu costumava ser mais sério, menos comunicativo e um garoto que só lia livros. De certa forma, você pode dizer que é uma mudança que aconteceu depois que eu comecei a ler. Então, às vezes eu acho que se eu tivesse começado a ler quando eu era mais novo, talvez hoje eu seria uma pessoa diferente.

É realmente uma mudança boa. Você acabou de me contar a história de “Meia-noite em Paris”, tem algum personagem cuja vida você queria ter?
Tem um romance, “Não Humano” do Osamu Dazai. É uma autobiografia e o personagem principal, Yozo, constantemente questiona a vida de um humano desde quando ele era jovem, ele agoniza e no final diz a si mesmo que ele “não é mais humano” e tem um colapso. Não é que eu queira viver a vida dele, mas eu estou curioso sobre como ele viveu com esse tipo de pensamento. Mais para o final tem essa parte. Após muitas tentativas de se suicidar o personagem morre, mas essa garota que o conhece diz que acha que o Yozo é “a pessoa mais pura do mundo”. As pessoas dizem que o Yozo é estranho ou que ele é lamentável, mas eu achei que talvez ele seja o humano mais humanizado (de todos). Eu pensei que talvez nós estejamos vivendo presos por normas e regulamentos e que talvez não estejamos vendo as coisas de forma geral. Eu também tenho curiosidade sobre a vida do personagem principal de “The Moon and Sixpence”. O personagem principal que tem uma família e uma vida estável como corretor da bolsa (de valores), mas um dia deixa tudo para desenhar. E os desenhos pelos quais ele dedicou sua vida inteira, finalmente são reconhecidos depois que ele morre. A vida dele parece legal e eu quero saber também como é.

Então você não é exigente com o que lê. Alguns não são fáceis de terminar de ler, principalmente os clássicos.
É o mesmo para mim também. Então eu sou do tipo que lê um livro por muito tempo. Quando eu viro para a próxima página eu penso “o que disse antes?”, aí eu volto e é repetitivo. “Eu deveria terminar esse livro!”, só com esse pensamento. (Risos)

Até na música “This.Star”, para a qual você escreveu a letra, dá para perceber que você lê bastante. A expressão usada nesse verso “Essa estrela, se você chegar um pouco perto demais ou um pouco longe, se tornará um término” mesmo se você disser que é uma parte de um poema, não há nada faltando. Tenho curiosidade sobre quais emoções você teve enquanto escrevia.
Essa música é a primeira que eu escrevi a letra. Um dia, quando estávamos indo a um compromisso durante a noite, eu vi as estrelas no céu de dentro do carro. Para ser honesto, não é fácil ver as estrelas em Seul. Mas naquela noite havia uma estrela que estava brilhando. Eu me inspirei nisso e comecei a escrever. Eu achei engraçado a forma como se você juntar (as palavras) “essa estrela” se torna “término”. Apesar de as pessoas ao meu redor terem dito “a história da música não é difícil demais?”. Mas eu pensei “você sempre tem que escrever de forma tão fácil?”. É uma música que eu pessoalmente sou apegado, porque na letra tem algumas das histórias que quero contar.

Você provavelmente vai continuar a escrever letras, existe algum assunto ou alguma história que você quer escrever sobre?
Eu pensei em uma durante a sessão de fotos. Enquanto eu estava brincando com a equipe dizendo “Não é assim”, eu escrevi um X como título, talvez X poderia ser usado para uma ex-namorada? Tem a mensagem de que você está dizendo para a namorada que terminou porque “As suas ações; não é assim”.

Podemos ver alguma das letras do Jinyoung no segundo álbum completo?
Eu escrevi a letra da canção “Mayday”. O termo “Mayday” é usado em aviões para pedir socorro. É uma música triste que está pedindo por resgate dessa realidade difícil.

Que tipo de significado tem a leitura para você, Jinyoung?
Eu acho que é uma escada. Porque eu acho que você pode subir um degrau por vez quando você lê, e quando você está passando por um momento difícil você pode sentar e descansar. Quando você quer perder as esperanças você pode se consolar lendo sobre a vida obscura e complexa do personagem de “Não Humano”, que eu falei antes, e pensar para si mesmo “Eu ainda estou bem”. Através das histórias em “Words that are Always Pleasant to Hear” você pode vivenciar um amor caloroso. Em um estilo de vida que possui limites, você pode aprender e descansar com histórias, então é por isso que é como uma escada para mim.

Por último, apresente um livro que você quer recomendar aos leitores, por favor.
Eu espero que vocês leiam o livro “The First Phone Call from Heaven”. É uma história sobre um dia receber uma ligação de um familiar que já está morto dizendo “Como você anda?”. Você consegue sentir o quanto a família que havia esquecido em uma vida ocupada é preciosa, e eu espero que você relembre. Eu também não estou muito bem, mas eu acredito que você pode se tornar um herói com as palavras “Eu te amo”. Eu espero que vocês pensem na família mais uma vez através desse livro. Estamos no outono e as festividades chegarão logo.

Cr. Revista Urbanlike (nº 34)
Tradução kor-eng: igot7_MarKP
Tradução eng-ptbr: Júlia GOT7 Brasil